Pensando fora da caixa

Assim com os músculos devem ser exercitados, é possível treinar o cérebro para se tornar mais criativo

As crianças são conhecidas por serem extremamente criativas. Quando menos se espera, elas surgem com respostas inusitadas e ideias originais. À medida que envelhecemos, vamos dando menos liberdade para o nosso cérebro criar e fazer associações. Dessa forma, as obas ideias vão se tornando cada vez mais raras. Mas é possível treinar o cérebro para que isso não ocorra.

O grande responsável pelo processamento das informações e resolução de problemas é uma parte do nosso cérebro chamada lobo frontal. Durante anos, acreditou-se que era ali que a criatividade nascia. Recentemente, os cientistas descobriram que as respostas inovadoras surgem quando o lobo temporal direito – estrutura que gerencia a nossa memória – entra em atividade. Literalmente, o cérebro vasculha tudo o que vemos, ouvimos, lemos, vivemos, sentimos e aprendemos em busca de associações para solucionar o problema. É por isso quanto maior for o acervo mental de filmes, músicas, livros e experiências pessoais, maior a criatividade. Isso também explica porque temos boas ideias enquanto caminhamos ou cantarolamos no chuveiro. Em outras palavras, é preciso relaxar para o cérebro tirar o foco do problema e encontrar a resposta que precisamos.

ANOTE TUDO!

Não adianta nada ser a pessoa que mais pensa fora da caixa e uma maquina de ideias se você não as anota. A nossa memória é um recurso muito falho, não dependa dela, você pode se arrepender amargamente quando não conseguir lembrar aquela ideia genial que teve antes de dormir!

AFINAL, O QUE É CRIATIVIDADE?

Ela é a capacidade de criar, produzir ou inventar coisas novas. Significa pensar de forma original e buscar novas associações de ideias. Na Grécia Antiga, ela estava associada à inspiração divina. Dessa forma surgiram as musas, entidades que inspiravam a criação artística ou científica. Elas escolhiam a dedo quem seriam os sortudos que receberiam as mensagens passadas pelos deuses.

Hoje, sabemos que todas as pessoas têm esta capacidade e que é possível treiná-la. Além disso, a criatividade se manifesta de várias formas e não necessariamente está ligada ao desenvolvimento de produtos inovadores ou talento artístico.

Para a neurociência, a criatividade é fruto de processos cognitivos e emoções, mas também de experiências sociais, vivências pessoais e até de hábitos. Ou seja: não existe um lugar especial no cérebro onde a criatividade se esconde. Para aparecer e nos presentear com uma grande ideia, ela precisa ser trabalhada todos os dias e estimulada.

BLOQUEIO CRIATIVO: ele existe?

O bloqueio criativo não é uma lenda criada por artistas. Em certos momentos, o cérebro trava e se recusa a ter boas ideias. Quando isso acontece, o primeiro passo é não entrar em pânico. Dê um tempo para você mesmo e se permita relaxar um pouco fazendo algo que gosta. Procure atividades que não estão relacionadas ao seu ambiente de trabalho e busque inspiração em músicas, livros, filmes ou séries. Sair para dar um passeio, arrumar a sua mesa ou até mesmo tirar um cochilo podem dar asas à sua imaginação. Só não vale usar o bloqueio criativo como desculpa para procrastinar.

O QUE É ÓCIO CRIATIVO?

Ao contrário do que muitos pensam, ócio criativo não é ficar sem fazer nada e esperar ideias brilhantes surgirem milagrosamente. De acordo com o sociólogo Domenico de Masi, o primeiro a falar sobre o assunto no final da década de 90, o ócio criativo acontece quando unimos trabalho, estudo e lazer. A ideia foi considerada inovadora na época, pois reconhece a importância do templo livre e da diversão para tornar o trabalho mais produtivo e o estudo mais prazeroso.

CRIANDO SOLUÇÕES INOVADORAS

> Não se sinta culpado por dedicar parte do seu tempo às coisas que você gosta;

> Elas fazem parte do seu acervo mental;

> Dê liberdade para o cérebro criar associações inusitadas entre tudo o que ouviu, leu, viu, viveu e aprendeu;

> Aceite que você vai precisar dedicar tempo e esforço até ser realmente bom no que faz;

> Lembre-se: criatividade também é persistência.

 

Fonte: Revista Ofertão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *