Hipertensão e diabetes: assassinas silenciosas na mira da prevenção

 

Hipertensão e diabetes são duas das doenças crônicas que mais preocupam os profissionais da saúde em todo o mundo. Ambas são consideradas “assassinas silenciosas”, por não apresentarem maiores sintomas até o momento em que colocam em risco a vida do portador. Segundo dados do Ministério da Saúde, um em cada quatro brasileiros vive sob este risco por causa da pressão alta. No caso do diabetes, são 14 milhões de pessoas que precisam conviver com as limitações impostas pela doença.

 

Os riscos à saúde aumentam ainda mais quando a pessoa apresenta as duas enfermidades: é diabético e tem pressão alta. Como ambas as doenças se desenvolvem a partir de condições semelhantes, ligadas à falta de atividade física e à má alimentação, é cada vez mais comum encontrar casos assim. A combinação de hipertensão e diabetes afeta principalmente os idosos. Cerca de 30% dos brasileiros com mais de 60 anos têm as duas doenças, que são causadoras da maioria dos episódios de AVC e infarto.

 

Uma doença leva à outra

 

Além de compartilhar alguns fatores de risco, como obesidade e sedentarismo, uma doença ainda pode contribuir para o surgimento ou agravamento da outra. O diabetes pode causar instalação de um quadro de hipertensão, já que a resistência à insulina dificulta o acesso das células à glicose circulante. Isso deixa o sangue com níveis maiores de açúcar, o que contribui para o enrijecimento das artérias e o aumento da pressão. Segundo pesquisas, a prevalência de hipertensão em indivíduos com diabetes tipo 2 é duas vezes maior que numa população de não-diabéticos.

 

Outro risco para o paciente com diabetes é sua maior propensão a desenvolver problemas renais. O mau funcionamento dos rins prejudica a eliminação de sal e água pela urina e o aumento destas substâncias na circulação pode elevar a pressão arterial. Os diabéticos também sofrem com a oxidação mais rápida dos vasos sanguíneos pelo excesso de açúcar no sangue. Esta oxidação pode ser o primeiro estágio do processo de entupimento de uma artéria.

 

Mas as conexões entre hipertensão e diabetes não param por aí. O caminho inverso também pode ocorrer e a hipertensão tornar-se um fator de risco para o desenvolvimento do diabetes tipo 2. Como as causas das duas doenças são muito semelhantes, as mesmas condições que fizeram surgir a pressão alta podem também ocasionar o diabetes. É por isso que o trabalho de prevenção e conscientização, com o objetivo de gerar uma mudança nos hábitos de saúde da população, é uma ferramenta fundamental para reduzir os riscos – e os custos assistenciais – gerados pela combinação destas doenças.

 

Como se isso não bastasse, pacientes com hipertensão e diabetes aumentam ainda mais os riscos de desenvolver complicações de saúde. Ambas as doenças tendem a afetar os mesmos órgãos, principalmente rins, coração e olhos. Se o paciente não controla de forma adequada a pressão arterial e os níveis de glicose no sangue, aumentam os riscos de desenvolver glaucoma ou o “pé diabético”, por exemplo. Tais complicações costumam surgir em pacientes com baixa adesão às ações de prevenção e tratamento, o que reforça ainda mais a importância de fazer a informação chegar a este público.

 

Fonte: Previva

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *