Um estouro de saúde

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A pipoca preparada com pouco sal, açúcar ou gordura traz muitos benefícios para o organismo

Pipoca e filme são dois amigos inseparáveis. O cheio característico da pipoca vendida nos cinemas dá água na boca, mas denuncia que a guloseima está carregada com muita manteiga. É por isso que ela entrou na lista de alimentos que não fazem bem para o nosso organismo e devem ser consumidos com moderação. A verdade é que este saboroso petisco pode ser um grande aliado da nossa saúde, desde que seja preparado sem excesso de sal, açúcar ou gordura.

Os benefícios da pipoca vêm do fato que ela é rica em fibras, antioxidantes, vitaminas do complexo B, manganês e magnésio, presentes principalmente na casca. Uma porção de duas colheres de sopa contém quase 10% das fibras necessárias para o dia inteiro. Além disso, ela possui mais antioxidantes do que muitas frutas e hortaliças, embora não substitua o consumo destes alimentos. O petisco também possui tiamina e niacina, substâncias que ajudam a converter os alimentos em energia para o nosso corpo.

A primeira vantagem da guloseima para a nossa saúde é que os antioxidantes inibem a ação dos radicais livres no organismo, diminuindo o envelhecimento precoce. Isso vai muito além das rugas de expressão e flacidez da pele, pois inclui fraqueza muscular, osteoporose, cegueira, queda de cabelo e demência. Os antioxidantes também ajudam a prevenir diversos problemas no coração e doenças degenerativas como o câncer e o diabetes.

A pipoca é rica em fibras, o que regula a atividade do intestino e melhora o sistema digestivo. Ela também ajuda a estabilizar o nível de açúcar no sangue e estimula a produção de insulina, uma ótima notícia para os diabéticos. A guloseima ainda atua na retirada do excesso de colesterol dos vasos sanguíneos e artérias, prevenindo ataques cardíacos e AVCs. Por fim, a pipoca é aliada de quem precisa perder peso, pois é rica em fibra e pobre em calorias. Quando é preparada de maneira correta, não tem desculpa para não saborear a guloseima enquanto assiste a um bom filme.

 

O MILHO VIROU PIPOCA

O milho foi um alimento muito importante na dieta das civilizações maia, inca e asteca e até hoje é um dos cereais mais consumidos do mundo. Existem evidências de que a pipoca já era apreciada por estes povos 5 mil anos atrás. Acredita-se que ela tenha sido descoberta por acaso, quando as pessoas acidentalmente derrubaram os grãos no fogo ou na areia quente. Só depois é que surgiram formas mais elaboradas e controladas para estourar pipoca. Existem cinco tipos diferentes de milho na América Latina, mas só um deles se transforma na guloseima. A diferença é que ele possui menos água (menos de 15%) e uma casca quatro vezes mais dura.

Quando o grão é aquecido, a água se transforma em vapor fazendo com que a pressão interna aumente e a casaca estoure. A pressão é tão grande que chega a 10kg/cm², cinco vezes maior do que a de um pneu de carro. O amido que tinha virado uma espécie de gelatina com o calor entra em contato com o ar frio e se solidifica novamente, assim nasce a pipoca que conhecemos. Quando a casca não está muito dura ou possui rachaduras, o vapor d’água escapa e surge o piruá.

 

DE OLHO NO RÓTULO

É preciso ter cuidado com a pipoca para estourar no micro-ondas seja a industrializada vendida nos supermercados ou a do cinema. Geralmente elas são ricas em sódio, açúcares e gorduras e se transformam em um petisco extremamente calóricos.

 

O PREPARO CORRETO

Além da saborosa, a pipoca pode ser um alimento saudável e nutritivo. A principal dica é não abusar do sal, açúcar, manteiga ou outros condimentos. Quando for estourar, procure adicionar pouco óleo ou usar apenas água. Além de eliminar as propriedades antioxidantes, a gordura deixa a pipoca mais calórica. Se você quiser acrescentar sabor, coloque um pouquinho de azeite de oliva e orégano.

 

SEUS BENEFÍCIOS

> Regula o nível de açúcar no sangue;

> Controla o colesterol;

> Melhora o processo digestivo;

> Protege contra osteoporose;

> Previne o câncer;

> Melhora a memória, raciocínio e percepção;

> Previne o envelhecimento precoce;

> Auxilia na perda de peso.

 

Fonte: Revista Ofertão

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *